O Sacrifício de Animais nos Cultos Afros

O Sacrifício de Animais nos Cultos Afros

Compartilhe este Post nas Redes Sociais

Com certeza, o sacrifício de animais é herdado de forma hereditária dos fundamentos dos cultos praticados na África. Nos cultos aos Orixás e na Umbanda esta prática é desenvolvida, assim como nas inúmeras seitas e cultos africanos.

Infelizmente o ecletismo e pluralidade de doutrina dentro da Umbanda e dos Cultos Afros são inúmeras. Não existe codificação e as ramificações são incontáveis.

O que podemos tirar como sumo vital de tudo isto?

O que é comum a todos?

Os Orixás e a manifestação mediúnica.

O resto se perde num emaranhado de ritos e doutrinas que muda de terreiro para terreiro e de Pai ou Mãe de Santo para Pai ou Mãe de Santo.

O importante nisso tudo é que o trabalho dos Orixás estão sendo realizados. Dentro de um grande plano divino, os objetivos gerais que: são permitir a cada grau conscencional sua evolução e a difusão da assistência caritativa aos esperançosos que buscam os diversos terreiros, bem como a difusão do perdão, do bem do amor etc., estão claros com muitas restrições, caminhando.

O que eu quero dizer, com estas colocações é que por tudo isso ninguém pode chegar com autoridade o suficiente para dizer: “Sacrifício de animais é algo primitivo e não possui mais razão de ser”.

O que eu quero dizer, com estas colocações é que por tudo isso ninguém pode chegar com autoridade o suficiente para dizer: “Sacrifício de animais é algo primitivo e não possui mais razão de ser”.

Se as coisas funcionassem desta forma a religião afro hoje, estaria devidamente codificada e plenamente definida, e esta miscelânea que vivenciamos teria perdido totalmente o sentido.

Por isso, a ancestralidade deste rito é válida como fundamento.

Se considerarmos do ponto de vista bíblico, o sacrifício de animais é algo que vem desde a história de Caim e Abel. Deus se agradou do sacrifício de Abel que imolou em oferenda os primogênitos de seu rebanho e recusou a oferta de Caim que tinha sido parte de sua colheita agrícola.

Já antes do Dilúvio, os animais eram mortos a fim de prover roupa ao homem e para fins sacrificiais. (Gên 3:21; 4:4) Os animais são almas viventes que não são humanas. (Núm 31:28)
Dentro de uma ótica cristã – judaica, o sangue era o principal elemento catalisador de ofertas e oferendas a Deus. Havia apenas um uso do sangue aprovado por Deus, a saber, para sacrifícios.

Ele mandou que os que estavam sob a Lei mosaica oferecessem sacrifícios de animais para expiar pecados. (Le 17:10, 11) Estava também em harmonia com a Sua vontade que Seu Filho, Jesus Cristo, oferecesse sua perfeita vida humana em sacrifício pelos pecados (He 10:5, 10).

A aplicação do sangue de Cristo, para salvar vidas, foi prefigurada de diversas maneiras nas Escrituras Hebraicas. Por ocasião da primeira Páscoa, no Egito, o sangue na parte superior das portas e nas ombreiras das casas israelitas protegeu o primogênito lá dentro de ser morto pela mão do anjo de Deus. (Êx 12:7, 22, 23; 1Co 5:7)

O pacto da Lei, que tinha uma particularidade típica para a remoção dos pecados, foi validado pelo sangue de animais. (Êx 24:5–8)

Os numerosos sacrifícios de sangue, especialmente os oferecidos no Dia da Expiação, eram para a típica expiação de pecados, apontando para a verdadeira remoção dos pecados por meio do sacrifício de Cristo (Le 16:11, 15-18).

Batuque do Rio Grande Sul Campanhas Fundamentos do Batuque RS Religião Afro Rituais do Batuque Tradições do Batuque  - O Sacrifício de Animais nos Cultos Afros

Compartilhe este Post nas Redes Sociais

Postagens Relacionadas

Rezas da Nação Cabinda por Pai Didi de Xangô

Rezas da Nação Cabinda por Pai Didi de Xangô

Sobre a Orixá Yemanjá

Sobre a Orixá Yemanjá

Sobre o Orixá Oxalá

Sobre o Orixá Oxalá

A origem do trevo de 4 folhas

A origem do trevo de 4 folhas

No Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook