Testamento de um Babalorixá

Testamento de um Babalorixá

Compartilhe este Post nas Redes Sociais

Deixo por meio deste instrumento virtual os meus desejos e disposições…

Deixo aos meus filhos e filhas a doçura e o consolo dos Orixás, o amparo que nos dão nas piores horas, e o peso de ser o melhor pra eles a cada dia.

Deixo as noites acordado na beira da mesa do Ifá pedindo força, vendo desfilarem vida e morte diante dos olhos, deixo o telefone tocando de madrugada, as noites insones no quarto de santo.

Deixo a alegria de ver nascer um Orixá e a tristeza de ver o pouco caso do filho ao abandona-lo.

Deixo a tristeza das ingratidões e o mal-estar de ter que repreender a quem se ama.

Deixo a agonia de ver os passos errados e não poder evita-los.

Deixo a solidão quando tudo vai bem e te esquecem e a solidão quando tudo da errado e te abandonam.

Deixo os axés de misericórdia arriados sem saberem e os axés de maledicência tornadas públicas.

Deixo as dívidas da fé, e a fé duvidosa de quem te procura…

Deixo as manhãs cinzas e as noites escuras…

Deixo o peso de não ter direitos e somente deveres…

E meus filhos, quando se apossarem desse meu legado, talvez entendam o que é ser um Pai de Santo…

Decepcionado com tanta traição de quem deveria ajudar a unir.

Autor Desconhecido

 

Destaque Slider Reflexões Religião Afro Textos Textos e Mensagens em Geral  - Testamento de um Babalorixá

Compartilhe este Post nas Redes Sociais

Postagens Relacionadas

Rezas da Nação Cabinda por Pai Didi de Xangô

Rezas da Nação Cabinda por Pai Didi de Xangô

Sobre a Orixá Yemanjá

Sobre a Orixá Yemanjá

Sobre o Orixá Oxalá

Sobre o Orixá Oxalá

A origem do trevo de 4 folhas

A origem do trevo de 4 folhas

No Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook